ICAM Waterjet

ICAM Waterjet

Empresa

Desde a década de 60, o nome ICAM é muito forte na região de São Carlos, SP. Em agosto daquele ano, Sergio Pepino, um empresário com grande visão de futuro, fundava a ICAM Metalúrgica para fabricar esquadrias metálicas sob medida e também equipamentos didáticos para laboratórios de universidades. Em novembro de 1991, nascia outro braço da empresa, a ICAM Pré-moldados, que se valeu de toda a tecnologia desenvolvida até então.

Problema

Sergio contou que em 1994 estávam fabricando autopeças para veículos especiais e tínham algumas dificuldades no corte de chapas grossas, que era feito a laser. Estudando os sistemas de corte existentes, acabaram optando pelo corte com jato de água e abrasivo, por causa de sua versatilidade e eficiência. Ficaram impressionados ao verificar que essa máquina cortava qualquer material sem danificar a estrutura".

Solução

Convencido de que aquela era a melhor escolha, Sergio Pepino procurou no mercado uma máquina que satisfizesse as necessidades de sua empresa. Ele visitou a feira Hannover (Alemanha) e, depois, foi a matriz nos Estados Unidos conhecer a Flow. Ele encontrou o que procurava. “Fizemos um curso de manutenção do equipamento, oferecido pela FLOW, para conhecer um pouco mais as características do sistema. E, de volta ao Brasil, decidimos fundar uma nova firma, a ICAM Waterjet, para prestar serviço de corte”, empresa que tem o mérito de ter sido a pioneira ao introduzir uma máquina de jato de água e abrasivo FLOW, em todo o Brasil, conforme observou Sergio Pepino.

Resultado

A nova empresa, especializou-se em corte de todo tipo de materiais planos (metais em geral, granito, mármore, cerâmicas, vidros, plásticos e borrachas) e atualmente tem uma carteira de clientes que abrange múltiplos segmentos da indústria, entre eles o de próteses medicinas e os ramos eletroeletrônico, de máquinas operatrizes, alimentício, de embalagens, da construção civil, aeronáutico, hidroelétrico e de robótica, entre outros. “Acreditamos que com a ICAM waterjet, colocamos a disposição das industrias brasileiras uma tecnologia de ponta, até então restrita a alguma multinacionais”, comentou Sergio Pepino, concluindo que “foi preciso muita dedicação e profissionalismo para vencer as dificuldades de toda iniciativa pioneira. O sucesso que estamos tendo, sem dúvida, é merecido".